Você está no e-book colaboração

Com mais de 1 bilhão de usuários, Facebook é a rede mais importante e utilizada hoje. Mas até quando?

O Facebook é uma rede social lançada em 2004, nos Estados Unidos, por estudantes da Universidade de Harvard, inicialmente com a intenção proporcionar troca de mensagens e fotos entre alunos da própria universidade. O website cresceu rapidamente e, atualmente, é aberto a qualquer pessoa acima de 13 anos.

Seu acesso é gratuito para os usuários, e a receita do site provém de publicidade.

Assim que você cria seu perfil no Facebook, aparece uma tela para localizar amigos. Dessa forma, é possível importar os seus contatos através de seu endereço de e-mail ou através de um arquivo simples de texto com endereços (salvo em formato .csv).

Você tem a opção de deixar os dados de seu perfil abertos ou restritos a amigos.  No caso de empresas, instituições, organizações e celebridades/personalidades, o ideal é criar uma página (fan page) em vez de um perfil pessoal. O perfil de usuário permite adicionar até cinco mil amigos, já a página permite que um infinito número de pessoas possa curti-la, aumentando sua visibilidade. Você só pode publicar no mural de quem aceitou sua amizade, no entanto, se sua organização tiver uma página, é possível publicar e interagir com outros usuários nesse espaço.

No caso do ator José de Abreu, para citar um exemplo, é interessante manter uma página para que as pessoas conheçam e acompanhem seu trabalho. Repare que 746 pessoas curtiram sua página e dez estão falando sobre ele no momento, ou seja, dez usuários(as) mencionaram sua página recentemente.

 

No caso de empresas e instituições, outra vantagem de se criar uma página é que as pessoas podem adicioná-la como “local de trabalho” ou “instituição de ensino”, no momento em que estiverem preenchendo os dados de seus perfis pessoais.

Muitas empresas criam perfis “pessoais” que utilizam para fazer propaganda no mural dos amigos. Isso pode se tornar um inconveniente para os usuários que aceitam a solicitação de amizade, prejudicando a imagem da própria instituição. Evite a prática de spam na rede!

O feed de notícias do Facebook funciona através da quantidade de likes, ou seja, quanto mais pessoas curtirem e postarem comentários sobre suas publicações, por mais tempo ficarão visíveis para outras pessoas. Você tem a opção de visualizar as notícias mais recentes ou as mais populares, e ainda pode escolher visualizar as atualizações de determinados grupos de amigos.

No caso de páginas de organizações, os posts ficam visíveis na própria página, facilitando a visualização.

Se o perfil é institucional, é importante manter o diálogo com o público. Atualize regularmente informações, fotos, vídeos e
status, e responda as mensagens em seu mural (ou página) assim que possível, o recomendável é em até 24 horas.

Anunciando no Facebook
Para comercializar produtos e serviços, além de divulgar marcas e páginas, o Facebook criou os anúncios. Através deles é possível atingir um nicho de mercado, fornecido pelo site, com base na idade, sexo, interesse e localização geográfica, entre outros. Os anúncios são exibidos do lado direito da página, sob a chancela “Patrocinado” e com a opção “curtir”.

Grupos
De forma semelhante às comunidades do Orkut, o Facebook possui os “Grupos”. São espaços que permitem a agregação de usuários através de afinidades e interesses comuns. É umaboa forma de encontrar pessoas, debater assuntos e divulgar informações para um público específico. É possível, ainda, conversar em forma de chat com todos os membros do grupo e promover enquetes.

Porém, fique atento. Como não é necessária autorização prévia do usuário para ser adicionado aos grupos, é comum que, sem que você nem perceba que foi adicionado, de repente esteja participando de grupos com os quais não se identifica (“torcida organizada do Corinthians”, “apoiadores de José Serra” etc). Dê sempre uma olhadinha no canto esquerdo do seu perfil, onde aparecem os “Grupos”. Caso não queira permanecer em algum deles, clique no nome do grupo e, na página dele, clique no botão “deixar grupo”, que fica localizado à direita

Os filtros-bolha
Em dezembro de 2009, o Google começou a personalizar seus resultados de busca de forma que, em vez de exibir o resultado mais popular, o site agora tenta prever o conteúdo mais provável a ser clicado por cada usuário. Eli Pariser, diretor executivo do site MoveOn.org, acaba de lançar um livro intitulado “The Filter Bubble: What the Internet Is Hiding from You” (2011), no qual afirma que a mudança na política do Google é sintomática da mudança mais significativa na web nos últimos anos: o surgimento da personalização.

De acordo com esses estudos, a internet seria, cada vez mais, uma “câmara de eco” em que sites disponibilizam informações sob medida com as preferências detectadas em cada usuário/espectador. Pariser demonstra que quando determinados usuários pesquisam a palavra “Egito”, parte deles pode receber as últimas notícias sobre a revolução, enquanto, para outros, são exibidos apenas os resultados da pesquisa sobre férias no Egito. O autor afirma que os 50 sites mais acessados da rede coletam uma média de 64 bits de informações pessoais de cada visitante para, em seguida, customizar o conteúdo de seu site de acordo com as preferências identificadas. Ele define esse fenômeno como “filtro-bolha”.

Embora tal fenômeno ainda passe despercebido para a maioria das pessoas, os filtros estão sendo adotados em quase toda a web. O Facebook, um dos sites de relacionamento mais populares do mundo, destaca as informações que avalia como mais interessantes para cada usuário. Da mesma forma, sites de grandes jornais como The Washington Post disponibilizam  no topo de sua página um feed de notícias com os links que seus amigos do Facebook estão compartilhando. Assim, no crescente ramo de empresas de rastreamento de dados, suas informações pessoais, que vão de inclinações políticas a marcas de roupa preferidas, são valiosa fonte de renda para os anunciantes.

Estratégias de visibilidade
Com o excesso de informação circulando nas redes hoje, o grande desafio não é falar, mas ser ouvido. De nada adianta, por exemplo, divulgar um conteúdo na sua página no Facebook se você tem poucos amigos ou fãs, ou se eles não compartilham e comentam suas postagens. Muitas vezes as postagens também “se perdem” no feed de notícias do Facebook e não aparecem na página das pessoas, seja através dos filtros-bolha, seja devido ao alto número de postagens em um dado momento. Listamos algumas estratégias úteis para tentar driblar esses filtros e alcançar visibilidade.

Citar no post
Quando publicar algum conteúdo em sua página, utilize o “@” para mencionar seus amigos ou pessoas que possam se identificar com o que está postando. Lembre-se: quanto mais pessoas curtirem e comentarem, mais visível ficará sua publicação no feed de notícias.

Taguear fotos
Quando você publica uma foto, o Facebook oferece a opção de marcar as pessoas que aparecem na imagem. Esse recurso é utilizado também para divulgação de eventos. Você publica o cartaz do evento e pode marcar as pessoas que quer convidar. Porém, existe o limite de 50 pessoas marcadas por foto. Já a legenda da publicação não possui restrição quanto ao número de caracteres.

Notas
As atualizações de status têm limite de 5.000 caracteres. O ideal para publicação de textos mais longos é criar uma nota. Clique em seu perfil e, à esquerda da página, em “Notas”, em seguida em “Escrever uma nota”. Além de formatar o texto, você pode ainda adicionar foto, marcações, escolher as configurações de privacidade e salvar como rascunho.

Criar evento
Do lado esquerdo de sua página existe a opção “Eventos”. É uma ótima forma de divulgar também campanhas ou lançamentos na web. Além de convidar amigos, você pode enviar convites através do endereço de e-mail das pessoas.

Assinaturas
A rede lançou no fin al de 2011 um novo recurso: as Assinaturas. Caso decida ativá-lo, tenha cuidado, pois esse recurso pode “bagunçar” sua rede social, tornando públicas atualizações privadas e sujando seu mural com spam. As assinaturas permitem ao usuário ver as atualizações de outros sem, necessariamente, adicioná-los como amigos. É útil, por exemplo, para visualizar conteúdos de artistas ou de pessoas que já ultrapassaram a quantidade de amigosque a rede permite (5.000). Entretanto, o aplicativo vem recebendo críticas e merece certa dose de atenção.

Atualizações públicas
Acesse suas configurações de privacidade e escolha se suas atualizações serão visualizadas por todos, só por amigos ou por um grupo em particular. Porém, ainda assim, a configuração selecionada só será levada em consideração para aqueles conteúdos cujas opções de privacidade não aparecem no momento da postagem. No caso do aplicativo para BlackBerry, por exemplo, o Facebook vai aplicar automaticamente a opção selecionada em todas as publicações, já no caso do acesso pelo PC ou pelo iPhone, não.

Ou seja, se alguém assinar o seu perfil, só poderá visualizar as atualizações em que você selecionar o ícone “público” no menu. Após fazer essa escolha, o Facebook adotará essa classificação para as postagens seguintes. Então, caso queria compartilhar uma publicação somente com amigos (ou “amigos de amigos”), altere essa opção no menu.

Comentários
Quando você assina o perfil de um usuário, todas as atualizações públicas dele aparecem em seu mural. Da mesma forma, os comentários em suas publicações também são públicos. Ou seja, se não quiser arrumar briga com fãs de alguma celebridade, é melhor não postar comentários negativos por lá. Caso a celebridade tenha optado por permitir pesquisas em seu perfil do Facebook através do Google, seus comentários também ficarão visíveis no site.

Sujando seu mural
Caso você assine a página de muitos usuários, corre o risco de tornar o seu mural confuso, pois todas as atualizações públicas deles vão aparecer em sua página, junto com as atualizações de seus amigos. Uma das reivindicações dos usuários é que o Facebook crie listas, como no Twitter, de forma que seja possível organizar o conteúdo das assinaturas.

Uma alternativa já existente é entrar no perfil da pessoa assinada e, passando o mouse sobre o botão “assinado”, escolher o conteúdo que deseja receber em sua página.Permitir assinaturas no seu perfil pode ser uma boa opção por motivos profissionais, mas lembre-se que você não pode retirar pessoas da lista ou bloqueá-las, apenas pode impedir que elas comentem em suas publicações.

Verifique seu perfil
Clique em “ver como” e insira o nome de um amigo específico para visualizar como seu perfil está sendo exibido para ele, ou clique em “público” para ver como aparece para as outras pessoas. É possível que algumas informações que você queria manter privadas (e-mail, interesses, formação etc.) estejam visíveis para todos. Nesse caso, vá até “editar perfil” e corrija as configurações de privacidade.

Mais informações

Trailer do filme “The Social Network” sobre a história do Facebook

  • Nome (Obrigatório)

  • E-mail (Não será publicado)

  • Url (Opcional)

  • Comentário (Obrigatório)