Você está no e-book jornalismo digital

Jamais será necessário, ou exigido como padrão, que um jornalista saiba programar códigos – basta o português, um código já bastante complexo.

As universidades não devem se debruçar sobre o ensino de linguagens – apesar de alguns julgarem interessante mostrar algumas coisas básicas, como o código primário sobre o qual a Web está construída, o HTML, e talvez algumas explicações sobre bancos de dados.

No entanto, concorda-se que, atualmente, jornalistas que compreendem a linguagem de código podem ter nas mãos um grande diferencial para o mercado de trabalho.

Conforme Pedro Valente, jornalista que trabalha no Yahoo! como gerente de projetos:

Eu sou mais um programador-jornalista. Mas não sei se tem um rótulo, porque a gente faz várias coisas. Um dos meus objetivos era colocar um site no ar sozinho. Então fiz tudo: programação, texto, design. É claro que algumas coisas saem melhores que as outras, mas a gente acaba fazendo um pouco de tudo. (…) Eu tenho que conversar com designers e programadores o dia todo, e preciso transmitir o que o usuário quer. Tudo o que aprendi de linguagem técnica é importante para essas conversas. Não sei se eu seria um bom programador, acho que seria pior que eles, mas esse conhecimento, saber qual coisa é mais ou menos complexa, isso me permite conversar com eles com algum respeito. O fato de eu ter ido atrás e aprendido a programar me ajudou muito. (VALENTE, 2010)

Em inglês usa-se o termo tech-savvy, que poderia ser traduzido para “proficiência no uso de tecnologia, especialmente computadores”, o que se aproxima bastante da definição de uma característica desses jornalistas. Não se trata de uma habilidade específica com determinado equipamento ou programa, mas a capacidade de resolver problemas que surgem no ambiente dos sistemas digitais. Esses jornalistas acabam servindo, nas redações ou nos seus trabalhos, como uma espécie de “suporte técnico” da área de TI, e ouvem frequentemente pedidos de seus colegas para ajudarem em situações como: “não consigo instalar esse programa”; “não consigo imprimir”; “meu skype não funciona”; “como acho isso na internet?”, “qual configuração de computador é boa para mim?” e outros pedidos similares.

Além de serem usuários avançados da Web (hard users), também são capazes de encontrar e utilizar softwares de conversão (de vídeo, de áudio), e realizar operações técnicas diversas, como montar redes wi-fi, configurar roteadores, instalar placas de captura de vídeo e de áudio em notebooks. Alguns dos requisitos encontrados para o jornalista-programador são a facilidade para lidar com códigos e programas de computador, matemática, proficiência no uso de tecnologias e da internet, principalmente.

  • suenos Mar 10, 2018 Reply

    Good way of describing, and pleasant paragraph to take
    facts about my presentation subject matter, which i am going
    to present in university.

  • Nome (Obrigatório)

  • E-mail (Não será publicado)

  • Url (Opcional)

  • Comentário (Obrigatório)